Prefeito de Santo de Antônio veta Câmara de fiscalizar R$ 4,8 milhões que serão gastos no combate à Covid-19

Por
O prefeito de Santo Antônio de Leverger, Valdir Pereira de Castro Filho (PSD) cada dia mais demostra querer “esconder” dados dos valores a serem aplicados no combate a pandemia do coronavírus, levando em conta do município deve receber algo em torno de R$ 4,8 milhões.

Desta vez, o gestor decidiu vetar o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal em que fica obrigado a repassar semanalmente ao Legislativo os gastos relativos à Covid-19.

Segundo projeto, de autoria do vereador Adelmar Galio (PROS), Valdir estaria obrigado a fornecer todas as sextas-feiras as licitações, contratações feitas por dispensas de licitações com recursos municipais, estaduais e federais, além de empenhos, notas fiscais de pagamentos entre outros relacionados aos gastos do município para combater a pandemia.

A proposta é uma forma de acompanharmos de forma transparente os gastos da Prefeitura. Como está sendo gasto detalhando serviço por serviço. Isso vai mostrar para o povo se o dinheiro está sendo investido ou não na Covid-19, mas parece que o prefeito não quer isso”, disse Galio.
No veto do projeto encaminhado à Câmara, Valdir Pereira afirma que é desnecessário o envio semanalmente dos documentos com os gastos e que isso irá “onerar os cofres municipais”. 
“Tal imposição à administração em enviar relatórios as sextas-feiras, até cessar o enfrentamento ao coronavírus (Covid-19) oneraria os cofres públicos de modo que fica defeso ao Poder Legislativo impor gastos ao Poder Executivo Municipal, e que pelos motivos expostos, tal obrigatoriedade acaba por ser desnecessária além de onerar os cofres municipais”, diz trecho extraído do veto.
O presidente da Câmara, vereador Dudu Moreira (PP) irá convocar sessão extraordinária para votar o veto do prefeito.

Você pode gostar