O impacto sobre ciclistas mulheres dos assédios sexuais de motoristas

Por

Uma ciclista que viralizou após confrontar um homem que gritou comentários obscenos de dentro de seu carro disse que o caso ilustra o assédio diário enfrentado por mulheres nas ruas.

Nanw Beard estava pedalando em Cardiff, no País de Gales, quando um motorista parou ao lado dela e disse que “seu traseiro iria causar um acidente”.

O motorista de 30 anos falou isso algumas horas antes de outro homem dizer que queria fazer sexo com ela ao vê-la passando de bicicleta.

Beard disse que desafiar este comportamento a fez se sentir “empoderada”. A ciclista pedalava em uma rua movimentada no dia 5 de junho quando um homem em um Land Rover parou ao lado dela e gritou para fora do carro.

“Ele me disse que eu deveria carregar um alerta de saúde porque meu traseiro iria causar um acidente”, disse ela.

“Quando eu respondi que ele era nojento, ele foi embora rindo.”

Reencontro

Video

CRÉDITO,NANW BEARD

Legenda da foto,Trecho do vídeo em que Nanw Beard confronta o homem que a assediou

Pouco depois, ela o reencontrou e resolveu confrontá-lo enquanto filmava a cena com o celular.

Nas imagens, que se espalharam pelas redes sociais, Beard questiona o homem, que nega tê-la assediado sexualmente.

“Você quer repetir o que disse?”, diz ela nas imagens.

“O quê?”, responde o homem.

“Você quer repetir o que disse?”

“Eu disse ‘cuidado’, porque você pode causar um acidente.”

“Você é nojento, é desprezível. Eu estou aqui simplesmente pedalando e você está me assediando sexualmente na rua.”

Uma pesquisa no País de Gales aponta que 77% das mulheres se sentem inseguras ao pedalar e pedem melhorias na segurança.

“Esta tem sido a regra para mim desde o início da adolescência, é uma parte da vida que eu simplesmente fui obrigada a aceitar”, disse Beard.

Mas ela acrescentou que não vai mais tolerar esse tipo de situação.

“Cheguei a um ponto em que estou com muita raiva e farta da enxurrada constante de assédio nas ruas que enfrento como mulher, especialmente quando estou sozinha.”

Assédio nas ruas

Em janeiro, durante o lockdown nacional no Reino Unido, regras sobre quantas pessoas poderiam fazer exercícios juntas ao ar livre foram alteradas depois que mulheres praticantes de corrida levantaram questões sobre segurança.

Atletas falaram sobre comentários obscenos sobre seus corpos, assobios e latas de cerveja atiradas contra elas enquanto treinavam sozinhas em parques.

Agora, embora não haja limite para encontros ao ar livre para exercícios no país, Beard disse que mais precisa ser feito para combater o assédio.

Ela disse que o homem tinha um passageiro em seu carro, que parecia ser seu filho, e ela sentiu que precisava enfrentar o comportamento do motorista.

No ano passado, um relatório ao conselho de Cardiff mostrou que apenas uma mulher para cada 19 homens usava bicicletas regularmente na cidade.

O relatório também descobriu que 70% das mulheres nunca andaram de bicicleta, mas 31% destas mulheres gostariam de fazê-lo.

Gwenda Owen, da ONG Cycling UK, disse que tanto ciclistas homens e mulheres enfrentam abusos diariamente apenas por estarem nas ruas, e que isso pode ser intimidante.

Gwenda Owen pedalando

CRÉDITO,JOHN WELLINGS

Legenda da foto,Gwenda Owen disse que muitas mulheres se sentiam mais seguras nas bicicletas do que caminhando porque podiam escapar mais rápido

Owen disse que muitas mulheres se sentem mais seguras nas bicicletas do que caminhando, pois elas podem se deslocar mais rápido.

Ela afirmou que os homens acreditam que podem “se safar” porque estão em carros, e que isso permitiria que eles gritassem comentários que não poderiam fazer quando cara a cara com alguém.

“Já me atiraram coisas por andar de bicicleta na cidade, a mais engraçada foi um pacote de salame, mas isso pode ser muito, muito intimidante”, disse ela.

“Essas pessoas gritam de carros ofensas de natureza sexual, fazem calúnias homofóbicas… infelizmente, é algo bastante comum, mas acho que talvez reflita problemas mais amplos na sociedade.”

Tanto Owen quanto Beard disseram que este comportamento precisa ser questionado por outras pessoas para que as coisas mudem.

Os homens também devem confrontar outras pessoas que se comportem dessa forma, seja “na rua, em bares, em conversas no trabalho ou em qualquer lugar”, disse Owen.

Christine Boston
Legenda da foto,Christine Boston diz que o assédio pode tirar mulheres e meninas do ciclismo pelo resto da vida

Christine Boston, diretora da OMG Sustrans Cymru, elogiou Beard por confrontar o homem, dizendo que todas as mulheres têm “direito à liberdade de movimento sem atenção indesejada”.

Ela descreveu comentários sexuais indesejados, como assobios, como uma forma de assédio e abuso, e disse que isso pode tirar as mulheres do ciclismo pelo resto da vida.

Você pode gostar