Mais de 1.468 mil mortos no mundo desde o início da pandemia

Por

Mais de 63.227.470 infecções foram diagnosticadas no mesmo período, das quais pelo menos 40.255.800 foram consideradas curadas.

 A AFP indica a propósito que os números oficiais refletem apenas parte do número real de contaminações, já que alguns países só testam os casos graves, outros utilizam os testes sobretudo para rastreamento e muitos países pobres dispõem de capacidades limitadas de testagem.

Nas últimas 24 horas, registraram-se mais 7.871 mortes e 490.401 casos do novo coronavírus em todo o mundo.

Os países que registraram mais mortes no último dia foram os Estados Unidos com 1.057 mortos, a Itália com 672 e a Rússia com 569.

Os Estados Unidos são o país mais afetado, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 268.103 mortos entre 13.545.792 casos, segundo o balanço da universidade Johns Hopkins. Pelo menos 5.146.319 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais atingidos são o Brasil com 173.120 mortos em 6.335.878 casos, a Índia com 137.621 mortos (9.462.809 casos), o México com 105.940 mortes (1.113.543 casos) e o Reino Unido com 58.448 mortes (1.629.657 casos).

Entre os países mais afetados, a Bélgica é o que conta com mais mortos em relação à sua população, 144 por cada 100.000 habitantes, seguido do Peru (109), Espanha (96) e Itália (92).

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) declarou um total de 86.542 casos (12 nas últimas 24 horas), incluindo 4.634 mortos e 81.631 curas.

A América Latina e o Caribe totalizavam hoje 447.909 mortos em 13.018.511 casos, a Europa 413.774 mortes (18.323.905 infectados), os Estados Unidos e o Canadá 280.177 mortos (13.919.502 infectados), a Ásia 195.055 mortos (12.411.246 infectados), o Médio Oriente 78.983 mortes (3.348.575 infectados), África 52.033 mortos (2.175.413 infectados) e a Oceânia 942 mortos (30.324 infetcados).

O balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial de Saúde.

Você pode gostar