Coronavírus: o que fazer se convivo com pessoas mais vulneráveis?

Por

diretor-geral do Hospital Sírio Libanês em Brasília, Gustavo Fernandes, explica que pacientes fora do grupo de risco que sentirem os primeiros sintomas de coronavírus devem se considerar casos suspeitos e se isolar imediatamente. Se convivem com pessoas que estão no grupo de risco, o isolamento deve ser ainda mais estrito.

É muito importante que, em caso de contaminação, a situação seja comunicada ao médico de referência da pessoa que tem a condição mais frágil para que sejam definidas providências específicas.

O infectologista Alexandre Cunha, do mesmo hospital, explica quem é, exatamente, o grupo de risco para o coronavírus: pessoas acima dos 60 anos, ou que apresentem outras condições, como doença cardíaca, pulmonar, insuficiência renal ou hepática ou que façam uso de medicamentos imunossupressores. “Esses pacientes devem consultar os médicos para saber a conduta mais adequada para cada caso”, diz.

Fonte: METROPÓLES

Você pode gostar